17/02/2021

Compostagem doméstica: o que é e quais são seus benefícios?

É comum vermos em todos os lugares que devemos fazer a nossa parte para um planeta mais sustentável. E uma alternativa simples para o dia-a-dia é a compostagem doméstica. Mas do que se trata e como colocá-la em prática?

A compostagem já é conhecida no meio rural. Contudo seus benefícios tornam-se ainda maiores quando praticada na zona urbana, os maiores responsáveis pelo lixo e poluição do solo dos aterros sanitários.

Assim, a prática da compostagem doméstica torna a separação do lixo, principalmente orgânico, em uma excelente alternativa de preservação ambiental.

O lixo orgânico dentro das casas nunca é visto com bons olhos, pois pode atrair a visita de animais indesejados que geram doenças aos moradores. O descarte incorreto deste material a céu aberto é responsável pela produção de chorume tóxico e gás metano, afetando os lençóis freáticos e grandes causadores do efeito-estufa.

A prática da compostagem doméstica atua diretamente na diminuição desses problemas ambientais ao transformar o lixo orgânico em adubo. E ainda incentiva o maior contato com a natureza.

Como é feita a compostagem doméstica?

O primeiro passo é adquirir três caixas de plástico que serão utilizadas como composteira. As caixas serão empilhadas uma em cima da outra para formar o ciclo da compostagem. 

As caixas serão empilhadas uma em cima da outra para formar o ciclo da compostagem. 

Separamos em três etapas como você pode fazer a compostagem doméstica

1. Faça furos na base das duas caixas superiores e tampe a de cima.

Os furos possibilitam a passagem dos alimentos entre as caixas, assim como a circulação dos micro-organismos, geralmente as minhocas que transformam o lixo orgânico em adubo.

Já a caixa inferior deve ser mantida sem furos e sem a tampa.

2. Coloque a terra e as minhocas na caixa superior.

As minhocas podem ser adquiridas em pecuárias ou até mesmo em lojas de produtos para jardinagem.

As minhocas vermelhas californianas são as mais adequadas para compostagem doméstica pois são a espécie que possui maior resistência e adaptação dentro de um sistema fechado de compostagem.

Esta composteira superior será chamada de digestora

3. Deposite os resíduos orgânicos na digestora.

Os resíduos orgânicos servirão de alimento para os micro-organismos e depois serão transformados em adubo. 

Por isso, os alimentos utilizados na compostagem doméstica também demandam certa atenção, pois devem fazer parte da alimentação dos micro-organismos dentro da composteira. 

Os restos de comida são muito apropriados, assim como frutas, verduras, legumes e até mesmo cascas de ovo ou borra de café.

Sendo assim, a compostagem doméstica exige certos cuidados e manutenção. 

A cada novo alimento depositado na composteira é necessário misturá-los junto com a terra e as minhocas. Isso ajuda no processo de produção de adubo dos micro-organismos e evitar o mau-cheiro de decomposição dos alimentos.

Além desses, nutrientes, considerados úmidos, é necessário adicionar “material seco” na composteira como serragem, palha, folhas e grama seca para ajudar no processo de decomposição feito pelas minhocas.

Cuidados com a compostagem doméstica

1. Misture o material seco e úmido

A mistura entre material seco e úmido é de extrema importância para igualar o ph dentro do sistema de compostagem doméstica.

Essa mistura é responsável pela aeração adequada da terra e acelera o processo de produção e qualidade do húmus, ou seja, o adubo produzido por esses micro-organismos.

Quando a composteira superior estiver cheia, coloque-a no lugar da caixa do meio. Adicione a terra e o material orgânico nesta caixa que antes estava vazia. Assim as minhocas poderão circular entre os dois andares e continuar a produção de húmus.

2. Mantenha a composteira em um local fresco e arejado.

Contudo, quando chegar o momento de troca das caixas, recomenda-se deixá-las expostas ao sol. Isso faz com o que as minhocas se sintam incomodadas com o calor e migrem de caixas mais facilmente. Depois, volte as caixas de compostagem doméstica para o local adequado.

O processo de transformação do lixo orgânico em adubo da compostagem doméstica demora em torno de 50 dias. 

É possível saber quando o adubo está pronto para uso pois a “terra” ali presente adquire uma cor escura, homogênea e úmida. Ou seja, não há diferença visível entre a terra e os alimentos na composteira, somente adubo e minhocas.

3. Chorume: bom ou ruim?

Além da produção de húmus, há também a produção de chorume. Este líquido ácido produzido pela decomposição de matéria orgânica acaba escoando para a composteira inferior e é também de extrema importância.

O chorume produzido na compostagem doméstica não é tóxico e tem 100% de base orgânica e biológica. 

Este líquido é altamente rico em nutrientes e sais minerais, podendo ser utilizado como fertilizante para jardins e hortas. Além disso, o chorume ajuda no combate de pragas como pesticida natural, basta misturar este líquido com água e borrifa-lo em suas plantas a cada 10 dias.

Seguindo esses passos seu sistema de compostagem doméstica pode ser benéfico tanto para o meio-ambiente, como incentivá-lo a prática de cultivo de plantas como hortoterapia.

Gostou do artigo? Para mais dicas sobre ações sustentáveis, nos siga em nossas redes sociais!